quarta-feira, 8 de abril de 2015

Apocalipse 13 - Pr. Montano de Barros

Hoje! Curta, compartilhe e convide amigos para assistir localmente ou pela internet! www.tvjuveve.com.brRua Arthur Loyola, 70 - Cabral - Curitiba/PRDia 08/04/2015 - 20:00 horas

Posted by Diário da Profecia on Quarta, 8 de abril de 2015

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Apocalipse 12 - Pr. Fernando Iglesias


terça-feira, 24 de março de 2015

A música de Igreja com ritmos populares

Na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos da América, nas igrejas litúrgicas (anglicanas e católicas, principalmente), os jovens de 1930 continuaram cantando o repertório de seus antepassados, talvez o existente desde o tempo da Reforma. Na década de 60, a Igreja Anglicana e a Igreja Católica começaram a admitir ritmos e instrumentos da música popular em seus cultos e em suas missas.

No Brasil, as igrejas do chamado movimento de renovação espiritual, que eclodiu entre os Batistas, também na década de 60, tinham uma obsessão doutrinária. Pouco preocupadas com seu estilo musical, as igrejas "renovadas"permaneceram, durante mais de 20 anos, no uso do "Cantor Cristão".

Surgidas na década de 80, as igrejas neopentecostais tinham uma ênfase diferente. Apoiando a "Contemporary Christian Music" que alguns evangélicos dos Estados Unidos da América usavam desde a década de 70, elas passaram a divulgar música com ritmos populares, então chamada de música "gospel". Este termo foi escolhido por uma questão de "marketing" (Denise Cordeiro de Souza Frederico. Cantos para o Culto Cristão, pp. 242-245. São Leopoldo, RS: Editora Sinodal, 2001). O termo não deve ser confundido com o autêntico estilo "gospel" dos negros norte-americanos (OJB, 03 jun 2002, p. 4).

Ao pressentir e perceber a insatisfação de parte da membresia com a execução musical, limitada ao canto de salmos e hinos, adotaram estratégias de "marketing", visando interesses subjetivos e individualistas. Queriam satisfazer principalmente os adolescentes e os jovens das igrejas neopentecostais.

Intencional e objetivamente, tomaram medidas práticas para a formação de um mercado para a nova música no Brasil. Essa música, por meio de discos e espetáculos, penetrou nas igrejas tradicionais, inclusive afetando a identidade denominacional de cada uma delas.

Com letra religiosa, essa música utiliza elementos, instrumentos e estilos da música profana popular. Com efeito, é um aperfeiçoamento técnico dos "corinhos" norte-americanos (década de 50), difundidos pelas igrejas pentecostais e por grupos extradenominacionais, mas tolerados pelos dirigentes de igrejas batistas.

Na verdade, era o produto da mercantilização do Evangelho. Sua produção significou que certa Igreja, ao tentar satisfazer os gostos e desejos de seus membros e simpatizantes, acabou por se submeter às leis do mercado musical, chegando mesmo a ser também uma mercadoria religiosa. No mundo capitalista, o Mercado exerce com desfaçatez sua força sobre a Religião.

(…)

Quando a nova música foi adotada, na década de 90, por certa igreja neopentecostal, nela ainda havia descontentes, não somente com a sua execução, mas também com a sua elaboração; eles queriam que fosse ainda mais popular …

Em 1997 previmos (OJB, 06 jan, 24 fev e 17 mar 97) que, naquela igreja, o culto seria oportunidade para entretenimento. Os jovens pretenderam até, no ano de 2000, participar do "Rock in Rio". Predissemos que, afinal, a música de culto seria substituída pela música de entretenimento. Foi o que, infelizmente, aconteceu!

Para concretizar-se a substituição, foram tomadas as seguintes medidas:
  • abandono da salmodia e da hinodia no canto congregacional;
  • não questionamento em relação aos gostos musicais;
  • atração às atividades da Igreja de músicos de "rock" e estilos afins;
  • concessão de liberdade aos músicos para compor e executar, dentro do templo e durante o culto, sob a influência de qualquer espécie de música profana;
  • criação de um estilo musical que teria preferência nas atividades da Igreja;
  • concessão da liberdade para levar esse estilo aos locais profanos (salas de espetáculos, estádios, ginásios, auditórios, logradouros públicos etc.), em eventos musicais ("shows", festivais, marchas etc.), com propósito evangelístico ou de propaganda da Igreja;
  • capacitação e profissionalização de cantores e instrumentistas para eventual apresentação, mediante remuneração, naqueles locais e eventos;
  • criação de entidades autônomas para a produção e difusão da nova música(editoras, livrarias, bandas, gravadoras, emissoras de rádio e televisão, sites na Internet) e promoção de eventos (empresários e agentes de publicidade comercial) com a finalidade de divulgação da música patenteada pela Igreja, simultaneamente com a propaganda institucional da Igreja e de seus líderes na mídia impressa e eletrônica;
  • execução da nova música nas reuniões para entretenimento de adolescentes e jovens, realizadas no templo ou em clubes, lanchonetes, restaurantes, boates, casas noturnas, danceterias, logradouros públicos etc.;
  • o novo estilo de música não seria associado ao termo "evangélico";
  • objetivação dos resultados esperados pela liderança da comunidade, com o emprego sistemático da música-de-igreja com ritmos populares nas atividades globais da Igreja:
  • introdução da nova música-de-igreja no mercado da música popular, em termos competitivos.
É o caso de perguntar, consideradas as origens, se interessa às igrejas batistas arcar com as tremendas consequências da adoção da música com ritmos populares ?!

Fonte - Música e Adoração

segunda-feira, 23 de março de 2015

Dois anos com o Papa Francisco: a opinião de um agnóstico

Cidade do Vaticano (RV) - Na última quinta-feira, dia 19, celebramos dois anos do início solene do Pontificado do Papa Francisco. Nestes dois anos as palavras e os gestos do Santo Padre suscitaram interesse inclusive entre muitos que não creem, como nos confirma o testemunho do docente ordinário da Universidade de Urbino – região italiana das Marcas – Luigi Alfieri, coordenador da Escola de ciências políticas e sociais da instituição acadêmica. Entrevistado pela Rádio Vaticano, ele nos diz qual aspecto do Magistério de Francisco mais o impressiona:

Luigi Alfieri:- “Com certeza, o aspecto social, que, creio, seja o aspecto que o próprio Papa quis colocar em primeiro plano. O Papa Francisco está levando a sério e fazendo levar a sério a ideia de uma Igreja dos pobres, que não é algo abstrato, ao menos não o é em seu caso. Aliás, diria que se configura como uma verdadeira e precisa escolha política que, como todas as escolhas políticas verdadeiras, é também uma escolha de parte, não em sentido banal e muito menos ideológico ou partidário; mas certamente implica opções fundamentais em relação aos valores, em relação a quem tutela estes valores e a quem, ao invés, não os tutela; implica certamente um juízo muito preciso sobre o atual sistema econômico mundial e sobre isso me parece que o Papa tenha sido totalmente explícito. Portanto, diria que neste momento a Igreja do Papa Francisco se apresenta como uma Igreja que dissente com uma ordem mundial que certamente não pode definir-se – se algum dia já pôde – uma ordem cristã.”

RV: Sendo uma pessoa que não crê, como considera a imagem recorrente de uma “Igreja em saída” tão querida pelo Papa Francisco?

Luigi Alfieri:- “Diria que é uma imagem inerente ao nome que escolheu para si. Certamente ninguém jamais pensou que a escolha de chamar-se Francisco – mais ainda, por um não-franciscano – fosse um detalhe sem importância. Evidentemente, é uma indicação de linha política, também uma precisa escolha de imagem: propriamente, uma Igreja que fala fraternalmente aos últimos e que, portanto, escolhe colocar-se do lado dos últimos, e não pode fazer isso eficazmente sem recorrer – justamente – ao nome e à imagem e à dimensão simbólica que está por trás de Francisco. Além do mais, com a consciência plena daquilo que o problema da pobreza foi ao longo dos séculos, nos milênios, diria, na história da Igreja. Foi um dos problemas cruciais e também uma das maiores fontes de lacerações, na Igreja. Certamente, o Papa atual pensa que Francisco pode ter no mundo de hoje uma atualidade e, consequentemente, um papel simbólico comparável ao que desempenhou no mundo medieval.”

RV: Como estudioso, como o senhor explicaria a capacidade comunicativa do Papa Francisco?

Luigi Alfieri:- “Certamente, se o meio é a mensagem, vale também a ideia oposta: que a mensagem é o meio. E, justamente, uma mensagem da simplicidade, uma mensagem da rejeição aos adereços, uma mensagem – num certo sentido – de “dessacralização” da Igreja, uma Igreja fraterna, uma Igreja que socorre, não uma Igreja que “julga” e “reina”, evidentemente se essa é a mensagem deve ser expressa de modo adequado. Portanto, a escolha de uma linguagem simples, na realidade muito mais refinada do que possa parecer, é consequente. O Papa Bergoglio é um grande intelectual, não é certamente um simples pároco do campo, embora por vezes escolha precisamente “aquela” linguagem ou “aquele” modo de colocar-se; mas o faz de modo refinado, com a plena consciência daquilo que quer dizer: para dizer “aquilo”, deve dizê-lo “daquele modo”. Não me entenda de modo errado: certamente não estou dando a isso um sentido negativo, mas o Papa Bergoglio é um político finíssimo, com certeza, um dos mais finos políticos que a Igreja teve nas últimas décadas...” (RL)

Fonte - Radio Vaticano

Papa reduz agenda para se dedicar à encíclica sobre ecologia

Cidade do Vaticano - O papa Francisco decidiu reduzir em uma semana sua agenda de trabalho para se dedicar à revisão da última versão da encíclica sobre ecologia, que será publicada em junho ou julho, informou o Vaticano nesta segunda-feira.

"O papa se dedicará às correções, revisará traduções e avaliará revisões a serem propostas por quem fizer a releitura", anunciou a assessoria de imprensa da Santa Sé.

O papa manterá o discurso da última quarta-feira e celebrará, como de costume, a missa matinal na Casa Santa Marta, onde reside no Vaticano.

Em janeiro, o pontífice já tinha anunciado a jornalistas que o acompanhavam no voo de volta do Sri Lanka e Filipinas que dedicaria os próximos dias a esse importante documento.

"Se tudo der certo, a encíclica poderá ser publicada em junho ou julho. O importante é que haja tempo entre a publicação e a cúpula de Paris, em dezembro, para que possam ocorrer contribuições", explicou o papa, aos 78 anos.

Os ritos da Semana Santa demandam muitos esforços e tempo ao pontífice, já que ele deve oficiar pelo menos sete celebrações, em nome do que ficará isolado nesta semana para trabalhar em cima do texto.

A encíclica deve servir de ponto de partida para as negociações na Conferência das Partes (COP-21), em Paris, organizada pela ONU, que tratará das mudanças climáticas, e será celebrada entre 30 de novembro e 11 de dezembro.

"É preciso cuidar da Terra para evitar sua autodestruição", disse o papa à comunidade internacional, em novembro de 2014, durante a II Conferência sobre Nutrição da FAO, realizada em Roma.

Por ocasião das reuniões preparatórias no Peru, o papa lamentou "a falta de coragem" para que fossem encontradas soluções conjuntas a fim de salvar o planeta.

O papa Francisco enviou uma cópia da encíclica à Congregação para a Doutrina da Fé, assim como à Secretaría de Estado e aos teólogos da Casa Pontifícia, "para que verifiquem se não digo besteiras", assegurou, com seu habitual tom autoirônico.

Segundo o cardeal Peter Turkson, que contribuiu para a elaboração da encíclica, o papa aborda a "ecologia sistêmica", que leva em conta o desensevolvimento humano.

Em um tuíte sobre o tema, o papa garantiu que "a questão ecológica é vital para a sobrevivência dos seres humanos e tem uma dimensão moral que atinge a todos", resumindo os pontos essenciais no documento.

Esta é a primeira encíclica a ser escrita somente por ele, já que a primeira ("Lumen Fidei", ou "Luz da Fé"), tinha sido preparada por Bento XVI, antes de renunciar em 2013.

Fonte - Exame

domingo, 22 de março de 2015

Mais de 750 milhões vivem sem água potável, diz Unicef

No Dia Mundial da Água, celebrado neste domingo (22), um estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) apontou que cerca de 750 milhões de pessoas não têm acesso à água potável no mundo. Em média, mil crianças morrem diariamente em decorrência de doenças ligadas à água contaminada.

No entanto, desde 1990, mais de 2,3 bilhões de pessoasobtiveram o acesso a fontes melhores de água potável. Com isso, o Objetivo do Milênio de eliminar o percentual de pessoas sem água foi atingido cinco anos antes de 2015. Atualmente, apenas em três países (República Democrática do Congo, Moçambique e Papua Nova Guiné) mais da metade da população não tem acesso ao recurso de maneira potável.

Das 748 milhões de pessoas no mundo que ainda não possuem água, 90% vivem em áreas rurais e estão distante dos progressos registrados em seus país no transporte de água e saneamento. "As etapas para o acesso à água potável, desde 1990, representaram progressos importantes, apesar das dificuldades", disse Sanjay Wijesekera, responsável da Unicef pelos programas de água e serviços sanitários. "Ainda há muito a se fazer. A água é a verdadeira essência da vida", comentou. O Dia Mundial da Água é celebrado todo 22 de março.

sábado, 21 de março de 2015

Desmatamento na Amazônia cresce 215% em um ano, segundo o Imazon

Em um ano, o desmatamento na Amazônia aumentou mais de 200%. O número foi calculado pela organização não-governamental Imazon.

O instituto de pesquisa Imazon, em Belém, monitora o desmatamento na Amazônia há mais de 20 anos. No levantamento divulgado esta semana, foram derrubados 1.700 quilômetros quadrados de floresta nativa, entre agosto de 2014 e fevereiro deste ano. A área desmatada é maior que a cidade de São Paulo.

Comparando essa derrubada com o período anterior, o desmatamento na Amazônia aumentou 215%.

"A perspectiva é se continuar nessa tendência de aumento do desmatamento, a gente ainda vai detectar um crescimento nas estatísticas do desmatamento nos próximos meses", diz Marcelo Justino, pesquisador do Imazon.

Segundo o Imazon, quase a metade do desmatamento ocorreu em áreas particulares, onde a floresta veio abaixo para a expansão da pecuária, principalmente no Mato Grosso. No Pará, o desmatamento foi provocado em grande parte pela grilagem, que é a invasão de terras públicas. Já em Rondônia, segundo os ambientalistas, as árvores vêm sendo destruídas para dar lugar à agricultura.

Do total desmatado nos últimos sete meses, o estado que mais destruiu a floresta foi Mato Grosso (35%), depois Pará (25%) e Rondônia (20%).

Os analistas também fazem outro alerta: como os satélites do Imazon só detectam o desmatamento em áreas acima de dez hectares, os números da derrubada da floresta podem ser ainda mais altos.

O Ministério do Meio Ambiente disse que não comenta os dados de desmatamento da Amazônia divulgados pelo Imazon por não considerá-los oficiais.

Fonte - Jornal Nacional

sexta-feira, 20 de março de 2015

40% das reservas hídricas do mundo podem encolher até 2030, diz ONU

Um novo relatório divulgado pelas Nações Unidas nesta sexta-feira (20) afirma que, se nada for feito, as reservas hídricas do mundo podem encolher 40% até 2030 e, por isso, é preciso melhorar a gestão deste recurso para garantir o abastecimento da população mundial.

O documento, elaborado pela agência da ONU para Educação, Ciência e Cultura, a Unesco, aponta ainda que 748 milhões de pessoas no planeta não têm acesso a fontes de água potável.

Outra conclusão é que o Brasil está entre os países que mais registraram estresse ambiental após alterar o curso natural de rios. As mudanças nos fluxos naturais, segundo a análise feita entre o período de 1981 e 2010, mas que foi concluída em 2014, foram feitas para a construção de represas ou usinas hidrelétricas.

Entre as consequências dos desvios estão uma maior degradação dos ecossistemas, com aumento do número de espécies invasoras, além do risco de assoreamento.

Os autores do texto cobram do governo brasileiro e das demais nações da América Latina que priorizem a gestão da água para reduzir a poluição, principalmente em áreas urbanas, e evitar conflitos entre o desenvolvimento econômico e a preservação dos recursos naturais. Segundo a ONU, o gerenciamento dos mananciais deve ser vetor para o desenvolvimento sócio-econômico e redução da pobreza.
(...)
Fonte - G1

Gelo marítimo do Ártico tem menor nível para um inverno, revela análise

O gelo marítimo do Ártico chegou ao seu menor nível para um inverno. É o que revela uma análise feita pelo Centro Nacional de Informações sobre Neve e Gelo dos Estados Unidos (NSIDC), divulgada nesta quinta-feira (19).

Segundo o centro, o gelo provavelmente atingiu sua extensão máxima para o ano no dia 25 de fevereiro: 14,54 milhões de quilômetros quadrados. Trata-se de uma extensão 1,1 milhão de quilômetros quadrados menor do que a média para o mesmo período observada entre 1981 e 2010.

"Este não é um recorde do qual devemos nos orgulhar. Gelo marítimo baixo pode criar uma série de reações que podem ameaçar o Ártico e o resto do globo", disse Alexander Shestakov, diretor do Programa Global para o Ártico da WWF, em nota divulgada pela organização ambiental.

Contribuíram para o recorde negativo as temperaturas mais altas do que a média registradas em fevereiro em partes do Alasca e na Rússia.

Americana tem bebê roubado do útero ao cair em armadilha

Uma americana é suspeita de ter esfaqueado a barriga de uma mulher grávida e roubado o bebê que estava dentro. A vítima, que estava grávida de sete meses, sobreviveu, mas seu filho morreu. A grávida havia ido à casa da suspeita para comprar roupas de recém-nascidos que haviam sido anunciadas online no site Craigslist.

A suspeita, Dynel Catrece Lane, também dizia estar grávida e levou o bebê até o marido dizendo que ele havia nascido antes do tempo. Ela perdeu um filho de 1 ano e meio há cerca de dez anos, quando ele se afogou em um laguinho de peixes. Ela tem mais dois filhos e, segundo o jornal The Longmont Times-Call, a polícia afirma que ela pode ter doenças psiquiátricas.

O jornal afirma que, segundo uma ONG que lida com crianças desaparecidas, houve 17 roubos de fetos nos Estados Unidos desde 1983. "Quando ela entrou na casa, foi atacada, espancada e seu bebê foi arrancado da barriga dela", disse o comandante da polícia de Longmont, no Colorado, Jeff Satur.

A vítima conseguiu ligar para a ambulância, mas estava praticamente inconsciente quando os policiais chegaram. "Ela me cortou", diz a mulher, com uma voz atordoada na gravação do serviços de emergência. "Estou grávida."

Ainda não se sabe se a suspeita, de 34 anos, estava grávida e havia sofrido um aborto ou se nem sequer estava grávida.

Segundo o jornal, quando o marido da mulher viu o bebê roubado, ela disse que havia sofrido um aborto espontâneo. David Ridley, então, levou os dois para o hospital. Mas a criança não sobreviveu.

Segundo a publicação, Dynel admitiu que roubou o bebê da barriga da vítima. Ela foi presa sob suspeita de homicídio de primeiro grau, agressão e abuso infantil resultando em morte.

Fonte - Terra

quinta-feira, 19 de março de 2015

Amazônia perde drasticamente capacidade de absorver gases causadores do efeito estufa

Segundo um trabalho de pesquisa desenvolvido ao longo de 30 anos, a capacidade da Amazônia de absorver gases causadores do efeito estufa diminuiu consideravelmente nas últimas décadas. A equipe internacional de quase cem pesquisadores foi liderada pela Universidade de Leeds, e o trabalho foi publicado, na última quarta-feira, 18, pela revista Nature.

O estudo avaliou 321 trechos de partes da Amazônia jamais afetadas por atividades humanas e estimou que a quantidade de dióxido de carbono absorvida pela floresta diminuiu em um terço na última década em comparação com a década de 1990. Pela primeira vez, a captação da floresta é menor que as emissões de combustíveis fósseis na América Latina. Os cientistas disseram não estar claro se o declínio irá continuar e se a tendência se aplica a outras florestas tropicais, como a bacia do Congo ou a Indonésia.

Segundo a equipe, isto possivelmente ocorreu devido às mudanças climáticas e às secas, já que elas estão fazendo com que mais árvores morram. Outra possibilidade é que o dióxido de carbono, gerado pelo homem, esteja fazendo com que as árvores cresçam mais rápido e morram mais cedo, e que só agora o número maior de mortes está se tornando aparente. Se a tendência se mantiver, o panorama da floresta Amazônica pode mudar.

A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo, e ela vem assimilando grandes quantidades de dióxido de carbono, já que as plantas utilizam o gás, que acumula calor, para crescer. Depois, elas o eliminam quando aprodrecem ou queimam. No entanto, o relatório afirmou que essa função de compensação do aquecimento global pode estar ameaçada.

“O crescimento florestal zerou ao longo da última década”, disse um dos autores do relatório, Roel Brienen, da Universidade de Leeds, à Reuters. “A floresta toda está vivendo mais rápido – as árvores crescem mais rápido, morrem mais rápido”.

As descobertas são uma surpresa, já que alguns modelos de computador indicam que as florestas tropicais podem crescer melhor, já que o dióxido de carbono, emitido pelo uso humano de combustíveis fósseis, age como um fertilizante que se dispersa no ar.

Fonte - Opinião e Notícia

quarta-feira, 18 de março de 2015

Templo de Salomão recebe pastores de outras denominações para culto especial

Esta é a segunda vez que líderes de igrejas evangélicas de diversas partes do país se reúnem na nova sede da Igreja Universal

No último sábado (14) o Templo de Salomão recebeu líderes religiosos de diversas denominações no 2º Encontro Interdenominacional de Lideranças Evangélicas.

O encontro foi coordenado pelo bispo Inaldo Silva, responsável pelo relacionamento interdenominacional da Igreja Universal do Reino de Deus, com o objetivo de aproximar as denominações.

“Trata-se de uma reunião entre igrejas de diversas denominações, em que o objetivo é entender que, apesar de termos liturgias diferentes e pensarmos, muitas vezes, de maneiras diferentes, isso não nos impede de andarmos juntos, uma vez que somos filhos do mesmo Pai”, explicou Silva.

O bispo Edir Macedo conduziu o culto e pregou o texto de Mateus 23: 16 e 17, comentando sobre quando Jesus advertiu aos religiosos que acreditavam em Deus, mas não agiam da maneira correta.

No final do culto o fundador da Igreja Universal orou e abençoou os pastores, revelando que não pretende tirá-los de suas igrejas, mas somar esforços para ganhar almas.

“Eu não vejo os pastores como melhores ou piores, eu vejo é a alma da pessoa. Quando a pessoa tem paixão pelas almas, é porque a sua própria alma está no Altar. Não queremos que você deixe a sua denominação. Eu incluo sempre os servos de Deus nas minhas orações, eu oro por vocês porque quanto mais almas vocês ganharem, melhor é para o Senhor Jesus”, disse Macedo.

Fonte - Gospel Prime

Igreja Presbiteriana dos EUA aprova casamento gay

Integrantes da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos decidiram nesta terça-feira (17) aceitar o casamento de pessoas do mesmo sexo. Foram três décadas de debate até que os religiosos resolveram incluir o casamento gay na Constituição da igreja.

A alteração tira a parte que aceitava a união “entre um homem e uma mulher” e coloca como casamento a união “entre duas pessoas, tradicionalmente um homem e uma mulher”.

Líderes como o diretor da Rede Aliança de Presbiterianos, reverendo Brian Elisson, comemoraram a decisão. “Finalmente a igreja, em seus documentos constitucionais, reconhece plenamente que o amor de gays e lésbicas é digno de ser celebrado pela comunidade da fé”, disse ele que há anos defende a inclusão de gays na igreja.

Carmen Fowler LaBerge, presidente do Comitê conservador Lay Presbyterian, disse em um comunicado que isso demonstra que a PCUSA rendeu-se às normas sociais. “Qualquer voz profética que a denominação um dia teve de falar a verdade e chamar as pessoas ao arrependimento já está perdida”, afirmou LaBerge.

“Tudo o que a (PCUSA) pode fazer agora é ecoar as vozes do mundo pois ela abandonou o vibrante apelo à levar o testemunho fiel do Deus que falou claramente sobre o assunto.”

Desde 2011 a denominação tem aceito a ordenação de homossexuais como pastores, fato que fez com que muitos fiéis deixassem de frequentar a igreja.

A Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos é a maior denominação presbiteriana do país tendo cerca de 1,8 milhão de fiéis. É importante salientar que a denominação é um corpo separado da Igreja Presbiteriana da América (PCA), que não mudou sua postura tradicional sobre o casamento gay.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Vanuatu faz apelo de ajuda urgente após passagem de ciclone

As organizações humanitárias enfrentavam grandes dificuldades nesta segunda-feira (16) para ajudar os habitantes de Vanuatu após a passagem devastadora do ciclone Pam, ao mesmo tempo que o presidente do arquipélago, Baldwin Lonsdale, fez um apelo à comunidade internacional para a reconstrução do país.

"As necessidades humanitárias são imediatas, precisamos agora", disse Baldwin à AFP antes de retorna ao país de Sendai (Japão), onde participava em uma reunião da ONU sobre a prevenção de catástrofes naturais.

"A longo prazo, necessitamos de apoio financeiro e ajuda para começar a reconstruir nossas infraestruturas. Temos que reconstruir todo", completou.

"Depois de todo o desenvolvimento que alcançamos nos últimos dois anos, vem este ciclone e destrói toda a infraestrutura que o governo construiu.

"Precisamos de financiamento internacional para reconstruir todas as infraestruturas", completou.

Mais cedo, o presidente de Vanuatu declarou que a mudança climática foi um fator-chave na devastação sofrida pelo país durante a passagem do ciclone Pam.

"A mudança climática está contribuindo para o desastre em Vanuatu", disse ele a uma emissora de televisão australiana.

O arquipélago de Vanuatu, no Pacífico Sul, foi devastado na sexta-feira por um dos mais graves desastres naturais da história da região. Na capital, Port Vila, 90% das casas foram atingidas.

Até o momento, o balanço oficial é de seis mortos em Port Vila, mas as autoridades temem um balanço muito maior após a avaliação de todos os danos no arquipélago, formado por quase 80 ilhas.

A ajuda já começou a chegar à capital do país, mas os funcionários das ONGs destacaram a falta de recursos para distribuir o material nas ilhas mais afastadas do Estado insular, um dos mais pobres do mundo.

Para alcançar cada localidade arrasada na sexta-feira pelo ciclone, que atingiu a categoria 5, a máxima, com rajadas de vento superiores a 320 km/h, serão necessários vários dias.

As necessidades de água potável, banheiros portáteis e pastilhas de purificação de água devem ser determinadas rapidamente, explicou o diretor da ONG Oxfam em Vanuatu, Colin Colette.

As organizações temem uma propagação das doenças.

"A primeira urgência era o ciclone. A segunda as doenças, caso a água potável e as condições de higiene continuem insuficientes", completou Colette, que citou 100.000 pessoas desabrigadas.

Para o diretor da organização Save the Children, Tom Skirrow, as condições são piores que nas Filipinas em novembro de 2013, quando o supertufão Haiyan arrasou o arquipélago e deixou 7.350 mortos e desaparecidos.

"Estive lá após o Haiyan e posso dizer que a logística é muito mais complicada aqui", disse à AFP.

Fonte - UOL

Vaticano aprova uso da força contra Estado Islâmico

A força contra os fundamentalistas

O embaixador do Vaticano nas Nações Unidas aprova uma ação militar contra o movimento Estado Islâmico no Iraque e na Síria, uma posição invulgar pois tradicionalmente o Vaticano opõe-se ao uso da força. Durante uma entrevista ao site católico norte-americano Crux, Silvano Tomasi disse que os combatentes do Estado Islâmico estão cometendo atrocidades numa escala enorme e que o mundo tem de intervir. “Temos de parar esse tipo de genocídio, de outro modo iremos questionar no futuro porque não fizemos alguma coisa, porque permitimos que acontecesse tal tragédia”, defendeu o arcebispo italiano. Silvano Tomasi referiu ser necessária uma “coligação bem pensada” para fazer tudo o que é possível para conseguir uma decisão política sem violência. “Mas, se isso não for possível, então o uso de força será necessário”, acrescentou. O papa Francisco já denunciou a “intolerável brutalidade” infligida aos cristãos e outras minorias no Iraque e na Síria pelos militantes do movimento Estado Islâmico.

(DN Globo)

Nota Criacionismo: Ninguém questiona que as ações praticadas pelos extremistas do Estado Islâmico são atrocidades que devem ser contidas. Mas, conforme já destaquei nesta outra postagem, chama atenção essa atitude do Vaticano de aprovar um tipo de “guerra santa”. É como se o mundo estivesse sendo acostumado a uma “coligação bem pensada” para empreender esforços enérgicos, quando o assunto é conter “extremismos”, “fundamentalismos” e ameaças à paz e a união de todos.
Related Posts with Thumbnails